Vestidos

Vestido às riscas

Vestido às riscas
Vestido às riscas - costas
Vestido às riscas - detalhe

64% viscose, 33% poliéster, 3% elastano… Mas que matérias primas são estas que compõem o tecido de tantas roupas que compramos? Ora bem, a viscose é obtida a partir da celulose, a qual é extraída da madeira de árvores, e o seu fio imita a seda natural. O poliéster é uma fibra sintética, que combina produtos químicos, e o tecido caracteriza-se por não amarrotar, ter elasticidade, secar rapidamente. Quanto ao elastano, é igualmente uma fibra química sintética, apreciada pela sua grande elasticidade, sendo destacadamente usado na confeção de fatos de banho e roupa desportiva. E agora já sabe! Para ilustrar, aqui se transforma uma peça com uma composição semelhante à supra referida.

Fica a ideia. Espero que agrade e experimentem nas vossas roupas.

Materiais:

1 macacão

Execução:

1. Destaque as calças do macacão, cortando-as acima do gancho. Descosa as pernas, acerte os retalhos em retângulos iguais e una-os lateralmente. Acautele o acerto rigoroso das riscas. Orle.

2. Una horizontalmente as duas saias obtidas e orle-as também.

3. Faça uma bainha em vira vira.

4. Junte a saia à parte superior do vestido: primeiro alfinete, depois cosa devagar, à medida que vai esticando o tecido mais curto. Por fim, orle.


Vestido bicolor

Vestido bicolor

Vestido bicolor detalhe manga

Vestido bicolor costas

Tradicionalmente são consideradas primárias as cores amarelo, vermelho e azul; e secundárias, o laranja, o verde e o roxo. A partir da mistura destas se obtêm múltiplas tonalidades. A paleta de cores é também usualmente dividida em cores frias (gradações de azul, verde e violeta) e cores quentes (gradações de vermelho, amarelo e laranja). Quando se pretende combinar cores, pode-se optar por um efeito harmonioso ou consonante, associando-se duas cores que estejam lado a lado no círculo de cores, por exemplo o vermelho e o laranja. Ou poderá preferir-se um efeito contrastante e inesperado, cotejando-se então dois tons mais ou menos distantes, por exemplo o magenta e o laranja. É o caso da proposta que aqui se apresenta.

Fica a ideia. Espero que agrade e experimentem nas vossas roupas.

Materiais:

1 vestido curto (malha)

50 cm de tecido de outra cor (malha)

Execução:

1. Cortar o vestido 15 a 20 cm abaixo do decote e da cava.

2. Cortar o folho interior da manga, a 4 cm de distância da costura de união.

3. Usar a saia e o folho cortados como molde respetivo para a barra e para os novos folhos laranja.

4. Para a barra inferior, encurtar a saia magenta, aproveitando a parte da bainha feita.

5. Unir os panos laranja às partes de cima e de baixo do vestido. Coser e orlar. Em seguida, coser e orlar também as costuras laterais do vestido.

6. Unir os folhos laranja às mangas, cosendo-os aos pedaços sobrantes dos folhos magenta. Em seguida, coser os laterais e orlar. Para a bainha, selecionar a opção Rolinho na máquina overlock.


Vestido de renda

O uso da renda confere delicadeza e requinte ao vestuário. Caso curioso na história de Portugal, as rendas já foram motivo de desavença nacional. No reinado de D. João V, a interdição das rendas na confeção dos trajes zangou as rendeiras nortenhas, que se sublevaram. Hoje, o episódio parece caricato, pois o fabrico industrial de tecido rendado tirou protagonismo económico às rendas manufaturadas, de bilros ou de agulha. Em múltiplas cores e a preços acessíveis se compram rendas a retalho e se costuram vestidos, saias e blusas para todas as ocasiões. Assim é também a proposta que aqui apresentamos.

Fica a ideia. Espero que agrade e experimentem nas vossas roupas.

Materiais:

1 vestido em malha (Poliéster)

1, 50 m renda (Poliéster e elastano)

1,20 m de fita (organza)

Execução:

1. Moldes: dobrar o vestido original ao meio e transpor, para papel vegetal, a metade da frente e de trás.

2. Dobrar o tecido rendado, acertando os motivos florais, por fazê-los coincidir. Cortar os componentes: frente, traseira e mangas.

3. Coser e orlar os ombros e os laterais do vestido e das mangas.

4. Sobrepor o vestido de renda ao de malha, direito sobre avesso respetivamente. Prender o decote com alfinetes e coser. Virar o vestido pelo direito e fazer uma costura de encosto no decote do vestido de malha.

5. Unir os dois vestidos nas cavas. Prender as mangas com alfinetes, coser e orlar.

6. Usar a fita de organza para o cinto. As pontas desta poderão ser consolidadas, aproximando-as suavemente de uma vela acesa.


Vestido camiseiro

Vestido

Foto do vestido de costas

Detalhe do vestido

Chama-se biomimética a ciência que estuda a Natureza – as suas formas, funções e soluções – para a imitar. No domínio da moda, a inspiração tem sido profícua tanto na composição dos tecidos e no seu comportamento versátil como nos lindos e sempre surpreendentes padrões. É o caso do estampado leopardo, que Fiorucci tornou popular nos anos 70. Atualmente, o “animal print” continua a ser tendência. Aqui, a proposta é transformar uma blusa em vestido, alongando-a.

Fica a ideia. Espero que agrade e experimentem nas vossas roupas.

Materiais:

1 blusa (viscose ou poliéster)

50 cm de tecido (crepe ou veludo) num dos tons da blusa.

Execução:

1. Prender com alfinetes a base da blusa e cortá-la, alinhando-a.

2. Cortar o tecido de acréscimo, usando a blusa para a medida de largura.

3. Unir, cosendo à máquina, 4 cm terminais da carcela.

4. Juntar cada um dos panos de acréscimo à parte da frente e de trás da blusa. Coser e orlar.

5. Coser os laterais, unindo frente e traseira, e orlá-los. Certificar que, na costura, a junção horizontal dos tecidos é coincidente.

6. Fazer a bainha à mão ou à máquina.